BENEFÍCIO

BENEFICIO

Ante a causa do bem,
Não temas empecilhos.

Pelo mal faze o bem
E ajuda sem prender-te.

Poder auxiliar
É um prêmio que reténs.

Não peças gratidão
A quem beneficies.

A árvore não come
Os frutos que produz.

Se já queres servir,
Rende graças a Deus.

Espírito: EMMAUEL
Médium: Francisco Cândido Xavier
Livro: “Recanto de Paz” – Edição FMG

CONTINUAÇÃO DO ESTUDO DO LIVRO A GÊNESE – CAPÍTULO XIV – OS FLUIDOS

CONTINUAÇÃO DO ESTUDO DO LIVRO A GÊNESE

CAPÍTULO XIV – OS FLUIDOS

1) Para relembrar o Capítulo XIV – Os Fluidos – itens 40 a 44:

http://www.centroespirita.com.br/literatura/agenese/pagina016_09.asp

 
2) Desenvolvimento:

Conceito de Mediunidade:

Mediunidade é uma faculdade, isto é, uma capacidade, aptidão inata, disposição, tendência humana natural pela qual se estabelecem as relações entre Espíritos encarnados e desencarnados.

Allan Kardec usa a expressão latina “médium”, que significa “intermediário” ou “meio”, para designar aquelas pessoas portadoras da faculdade mediúnica, ou seja, indivíduos capazes de colocarem em contato mais direto os dois planos de vida – o plano dos encarnados e dos desencarnados.

O médium, pelo fato de ser portador de certos recursos orgânicos, torna-se a ponte, o meio, o intermediário entre os Espíritos e os homens.

Segundo Kardec:

“Todo aquele que sente, num grau qualquer a influência dos Espíritos, é, por esse motivo, médium.”

Lembra, ainda o Codificador, que

“Esta faculdade é inerente ao homem; não constitui, portanto, um privilégio exclusivo. Por isso mesmo, raras são as pessoas que dela não possuem alguns rudimentos.”

Kardec orienta para que se reserve a expressão “médium” apenas para aquelas pessoas em quem a

“Faculdade mediúnica se mostre bem caracterizada e se traduz por efeitos patentes, de certa intensidade.”

—Achando-se a mente na estrutura de todas as manifestações mediúnicas, torna-se imprescindível ao medianeiro enriquecer o pensamento, incorporando-lhe os tesouros morais e culturais.

Fonte: Curso Básico de Espiritismo, do Instituto de Difusão Espírita de Juiz de Fora – MG (IDE-JF) em parceria com o ESDE (Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita) da FEB (Federação Espírita Brasileira).

Função da Mediunidade:

Estudando, pesquisando, auxiliado pelos Espíritos na Codificação, encontra nessa divisão fenomênica, duas grandes áreas de função, isto é, duas formas ou modos naturais de uso, serventia, utilidade e as designa como:

· mediunidade generalizada

· mediunato

A primeira – mediunidade generalizada – corresponde à mediunidade natural, mediunidade que todos possuem e que permanece pelo próprio desconhecimento em estado de estagnação, inércia, como manifestações moderadas, quase imperceptíveis.

A segunda – mediunato – corresponde o compromisso, ou seja, o indivíduo está investido espiritualmente de sensibilidade maior para finalidades específicas na encarnação. É a mediunidade ativa que exige desenvolvimento e aplicação durante a vida do médium.

Fonte: espírito.org/Leda

 
Os mecanismos da Mediunidade:

Os elementos integrantes de toda a ação magnética são: o Espírito, a vontade, o perispírito o fluido e o corpo físico.

Síntese de toda a ação magnética: o Espírito quer, o perispírito transmite e o corpo executa.

Pensamento e vontade são, pois, os dois elementos de ordem espiritual que dão início a ação.

Intermediação do Perispírito

O perispírito “é o princípio de todas as manifestações. O conhecimento dele foi a chave da explicação de uma imensidade de fenômenos…” LM – Allan Kardec.

FUNÇÃO INDIVIDUALIZADORA

*Individualiza e identifica

 Preserva características evolutivas e memória

 Assegura a continuidade da vida psíquica

FUNÇÃO SUSTENTADORA

 Impregna-se de energia vital,transferindo-a, sob o impulso da alma, para o corpo físico

FUNÇÃO ORGANIZADORA

*Princípio diretor imaterial-MOB

 Define campos morfogenéticos

 Recuperação da forma humana

FUNÇÃO INSTRUMENTAL

 Faculta interação entre os mundos físico e espiritual

 Propicia regime de trocas energéticas

Se a faculdade mediúnica, é orgânica, qual o órgão do espírito encarnado responsável por ela ? Na época em que Kardec codificou o Espiritismo pouco se conhecia da anatomia e estrutura microscópica, e muito menos ainda de suas funções. Com o avanço da Ciência, porém, houve condições de recebermos informações mais amplas dos Espíritos através das obras complementares da codificação.

André Luiz, é, talvez o autor espiritual que mais amplas elucidações nos faz sobre o assunto.

Em Missionários da Luz ele estudando um médium psicógrafo com o instrutor Alexandre, observa a epífise – ou pineal – do médium que está a emitir intensa luminosidade azulada

….Vemos então atribuídas à glândula pineal funções que só agora estão sendo esclarecidas pela Ciência oficial.

Hipótese da ciência contemporânea:

As ondas energéticas do Comunicante seriam capturadas pela pineal do médium, transformando-as em impulsos neuroquímicos. (provado pelos cientistas Vollrath e Semm, que têm artigos publicados na revista científica Nature, de 1988)

SEGUNDO O FÍSICO-ESPIRITUALISTA, DR. VALDIR AGUILERA, OS PENSAMENTOS SÃO IRRADIAÇÕES ONDULATÓRIAS PRODUZIDAS POR VIBRAÇÕES DO ESPÍRITO, ENCARNADO OU DESENCARNADO; ELE NÃO SE PROPAGA POR ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E SIM ATRAVÉS DE ONDAS VIBRATÓRIAS. O AMBIENTE LÍQUIDO ONDE A PINEAL ESTÁ LOCALIZADA DE CERTA FORMA FACILITARIA A CAPTAÇÃO DESSAS ONDAS VIBRATÓRIAS.

POR OUTRO LADO, OS CRISTAIS DE APATITA QUE ESSA GLÂNDULA CONTÉM SÃO CAPAZES DE CAPTAR CAMPOS ELETROMAGNÉTICOS. É PROVÁVEL QUE SEJA ENTÃO A INTERAÇÃO DESSES DOIS FATORES QUE FAZEM A PINEAL ATUAR COMO UMA VERDADEIRA ANTENA VIBRÁTIL; E ESSA ANTENA SERÁ TANTO MAIS SENSÍVEL QUANTO MAIOR FOR O SEU CONTEÚDO DE APATITA. 

-NA MEDIUNIDADE DE EFEITOS FÍSICOS HÁ PRODUÇÃO AUMENTADA DE FLUIDOS ECTOPLASMÁTICOS, ACIONANDO OS PLEXOS ESPLÊNICO E GÁSTRICO – (SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO)

O efeito físico é o resultado da combinação dos fluidos do espírito, do o ectoplasma do médium e os fluidos do ambiente. Com esses três elementos o espírito gera o fenômeno, o anima e controla pelo pensamento.

“O Fluido Cósmico Universal – é matéria cósmica primitiva que vai do incomensurável ao mensurável; da invisibilidade à visibilidade; do ponderável ao imponderável; dependendo da forma, do estado e da dimensão em que se encontra, sendo detectável ou não aos nossos sentidos humanos.” –Espírito Galileu, em A Gênese.

A MEDIUNIDADE CHAMADA DE EFEITOS FÍSICOS.

As manifestações físicas têm por propósito chamar nossa atenção sobre alguma coisa, e de nos convencer da presença de uma potência superior ao homem. Os Espíritos elevados não se ocupam dessas espécies de manifestações; eles se servem dos Espíritos inferiores para as produzir, como nós nos servimos de servidores para o trabalho grosseiro, e isso dentro do propósito que acabamos de indicar. Uma vez atingido esse propósito, as manifestações cessam, porque não são mais necessárias.

*Mesas Girantes, Pancadas, Transporte, Materializações

Médiuns que, dotados de uma condição especial, doam um certo tipo de fluido aos Espíritos (denominado fluido magnético). Esse tipo de fluido somente as pessoas encarnadas possuem. 

Diferentemente das outras categorias de médiuns, que têm controle sobre suas faculdades, o médium de efeitos físicos não têm como controlar sua doação de fluidos para o mundo espiritual. A transmissão fluídica acontece instantaneamente e, na maioria das vezes, o médium não percebe que está doando o fluido magnético. Através deste fluido, que tem dupla natureza, ou seja, atua tanto no plano espiritual como no material, o Espírito tem condições de manifestar-se diretamente na matéria. Alguns cientistas chamam este fluido de ectoplasma.

Os espíritos só conseguem mover objetos, provocar ruídos ou ficarem visíveis aos encarnados quando estão de posse desse fluido magnético.

Fonte: espírito.org

O fenômeno de ectoplasmia pode dividir-se em três tipos:

a – A psicoplastia, quando o ectoplasma assume formas diversas devido à ação psicocinética exclusiva do médium.

b – A duplicação ectoplasmática, em que o perispírito do médium serve de organizador do ectoplasma, produzindo uma réplica do médium.

c – A produção de agênere ectoplasmático, na qual o médium funciona apenas como doador de ectoplasma. Sua modelagem opera-se à custa do perispírito de um segundo agente. É possível ainda que o Espírito de uma pessoa encarnada se sirva do ectoplasma de um doador e se manifeste em forma de agênere ectoplasmático. (L. Palhano Jr – Dicionário de Filosofia Espírita).

Fonte: guia.heu

“…As práticas mediúnicas no plano físico representam um benefício para os médiuns encarnados porque promovem a arte de fazer a caridade sem saber-se a quem. Realmente, são poucas as práticas mediúnicas para uma demanda tão grande, mas é uma forma de travarmos contato com o mundo do Além-Túmulo, pois, se não existisse o fenômeno da comunicação mediúnica estaríamos desinformados do que ocorre além da existência física.Cada prática mediúnica é um laboratório de experiências. Há comunicações que nos comovem profundamente, lições que nos despertam, de uma forma intensa, apelos e sugestões de raras oportunidades.”

Fonte: Projeto Manoel Philomeno de Miranda QUALIDADE NA PRÁTICA MEDIÚNICA

A mediunidade, que vige latente no organismo humano, aprimora-se com o contributo da consciência de responsabilidade e mediante a atenção que o exercício da sua função bem direcionada lhe conceda.

Faculdade da consciência superior ou Espírito imortal, reveste-se dos órgãos físicos que lhe exteriorizam os fenômenos no mundo das manifestações concretas.

(Momentos de Consciência, Cap. 19, Joanna de Ângelis/Divaldo P. Franco – LEAL)

-Que façam alhures demonstrações físicas; que alhures velam e ouçam; mas que entre vós compreendam e amem. –São Luis

Abracos,

Fatima

Estudando “O Evangelho segundo o Espiritismo”, de Allan Kardec

Estudando “O Evangelho segundo o Espiritismo”, de Allan Kardec

Homens de bem, de boa e firme vontade, uni-vos para continuar amplamente a obra de propagação da caridade; no exercício mesmo dessa virtude, encontrareis a vossa recompensa; não há alegria espiritual que ela não proporcione já na vida presente. Sede unidos, amai-vos uns aos outros, segundo os preceitos do Cristo.
(Capítulo 13. Item 12)

Foto: Estudando “O Evangelho segundo o Espiritismo”, de Allan Kardec</p>
<p>Homens de bem, de boa e firme vontade, uni-vos para continuar amplamente a obra de propagação da caridade; no exercício mesmo dessa virtude, encontrareis a vossa recompensa; não há alegria espiritual que ela não proporcione já na vida presente. Sede unidos, amai-vos uns aos outros, segundo os preceitos do Cristo.<br />
(Capítulo 13. Item 12)” width=”163″ height=”250″ /></p></div>
</div>
<p> </p>
<div id=